Atualizando informações ...

Salvação, pessoas negras e o amor

Ref: 9786560080270
Marca: Editora Elefante
Modelo: Brochura

Por:
R$ 60,00

R$ 55,80 à vista com desconto Transferência Online BB - Vindi
R$ 55,80 à vista com desconto Pix - Vindi
 
* Aqui sua compra é 100% segura, compre com tranquilidade.
Simulador de Frete
- Calcular frete
Frete e prazo de entrega
Descrição Geral

SALVAÇÃO

Salvação pessoas negras e o amor
Autora: bell hooks
Neste segundo volume da Trilogia do Amor, bell hooks dá continuidade às reflexões de Tudo sobre o amor, ressaltando a importância de uma prática política fundamentada na ética amorosa como forma de destruir o racismo e o patriarcado. Salvação nos convoca a amar a negritude, a dignificar as mães solo, a acolher a homossexualidade e a saudar uma militância norteada por respeito e cuidado permanentes, e que rejeite qualquer tipo de dominação. É um livro dirigido a todo mundo que deseja o fim das opressões. Afinal, entender como a supremacia branca acarreta sofrimento em múltiplos aspectos da vida negra é de interesse coletivo. Como destaca a autora, “mesmo quando não podemos mudar a exploração e a dominação em curso, o amor dá significado à vida. Cumprindo a tarefa do amor, garantimos nosso triunfo sobre as forças do mal e da destruição”.

 

Em Tudo sobre o amor, primeiro livro da Trilogia do Amor, bell hooks, concentrando-se nas desigualdades de gênero, parte do princípio de que o amor é uma ação e uma responsabilidade, não somente um sentimento que diz respeito às relações humanas. Neste segundo volume, mais do que compreender o amor, a autora se dedica a pensar o amor — e o desamor — como uma questão social da comunidade negra. Trata-se de um manifesto cuja mensagem central é o poder transformador do amor para criar mudanças sociais após séculos de opressão promovida pela ideologia patriarcal, capitalista e supremacista branca e seus decorrentes traumas que despedaçam o amor- -próprio, famílias e o sentido de pertencimento. Um manifesto por uma ética do amor que oferece, a um só tempo, o panorama histórico das forças que moveram uma comunidade negra amorosa — mesmo num contexto escravocrata e depois segregado — à fraturada e violenta geração hip-hop, revelando com profundidade o desespero coletivo que resulta na falta de amor. E, mais importante ainda, sendo uma ponta de lança, propondo estratégias e práticas para o fim do auto- -ódio e para que a vida em comunidade seja diversa, amorosa e, portanto, livre.

— nina rizzi, no Prefácio à edição brasileira

O amor foi de fato ridicularizado — não apenas a mensagem para “amar seus inimigos”, da revolução não violenta encabeçada por Martin Luther King, mas também a mensagem de construir amor-próprio, autoestima saudável e comunidades amorosas. Como a busca por poder subsumia a busca por libertação na luta antirracista, havia pouca ou nenhuma discussão sobre o propósito e o significado do amor na experiência negra, do amor na luta pela libertação. O abandono de um discurso sobre o amor, de estratégias para criar uma base de autoestima e autovalorização que reforçasse as lutas pela autodeterminação, proporcionou o enfraquecimento de todos os nossos esforços para criar uma sociedade na qual a negritude pudesse ser amada por pessoas negras, por todo mundo. A difamação do amor na experiência negra, em todas as classes sociais, tornou-se terreno fértil para o niilismo, para o desespero, para a violência terrorista contínua e o oportunismo predatório. Isso tirou de muitas pessoas negras a ação positiva necessária se quisermos nos autorrealizar coletivamente e ser autodeterminados. Muitos dos ganhos materiais gerados pela luta militante antirracista têm tido pouco impacto positivo na psique e na alma de pessoas negras, pois a revolução interior, que é a fundação sobre a qual construímos o amor-próprio e o amor pelos outros, não aconteceu. Os negros e nossos aliados reconhecem que a potência transformadora do amor na vida cotidiana é a única força que pode resolver a infinidade de crises que enfrentamos agora. Não conseguiremos efetivamente resistir à dominação se nossos esforços para criar mudanças pessoais e sociais significativas e duradouras não estiverem fundamentados em uma ética do amor. Profeticamente, Salvação: pessoas negras e o amor nos chama para retornar ao amor. Abordando o significado do amor na experiência negra hoje, clamando por um retorno a uma ética do amor como plataforma de renovação da luta antirracista progressista e oferecendo um modelo para a sobrevivência e a autodeterminação negras, esta obra corajosamente nos leva ao cerne da questão. Dar amor a nós mesmos, amar a negritude, é restaurar o verdadeiro significado de liberdade, esperança e possibilidade na vida de todos nós.

— bell hooks, na Introdução

Formas de Pagamento
Avaliações

Produtos visualizados

Carregando ...